Virada do ano

A virada começou com um banho de banheira. Me vesti e saímos pra comprar as bebidas que nos acompanhariam no churrasco na neve. Churrasqueira acessa, carne na grelha, fui  dar uma ajeitada na neve. Peguei a pá, ou shovel (essa eu acertei na cagada) e fui tirar a neve da área. O esforço foi tão grande que eu tava sentindo calor só com um moletom, apesar que era um dia bem quente em relação aos outros.
snow bbq

A cerveja tava rolando solta, a carne tava parecendo um chiclete. Já que a carne tava bem ruim resolvi me concentrar mesmo na cerveja. Começei a ficar bêbado e a coisa foi ficando maluca.

já tava bêbado

Colaram no role dois turcos, o Zia e o Abdul, do nada. Eles estudam e trabalham aqui, e levaram heinekens pra festa. O Zia falava que não gostava da cerveja americana porque segundo ele, elas davam muita dor de cabeça no dia seguinte. O Abdul então, como um bom guest, insistiu que eu pegasse uma garrafa de Heineken, apesar que eu já estava com uma na mão. Pelas boas maneiras, me senti obrigado a aceitar, contra minha vontade, é claro. Matei a latinha de Budweiser, e fui mijar com a minha Heineken na mão. Segundo mijo da minha vida na neve, e ambos foram em datas comemorativas, assim como o mijão do natal.
Ah, quem tava lá também era o Mohamed, um amigo nosso da Twin Craft. Se eu não me engano ele é da  Somália, mas já virou um cidadão norte americano, fazendo um daqueles testes que o Abu do Simpsons faz num episódio. Ele nasceu em 70 e poucos, e tem um nome muito difícil de lembrar – Mohamed Mohamed . Sim, esse é o nome inteiro dele, 2 Mohameds.
Eu vi isso na carteira de motorista dele do estado de Maine.
Depois chegaram uns americanos, 3 na verdade. Um era da Twin Craft também, era um chef que trabalhava como chefe de qualidade de alguma linha da fábrica. Ele era bem babaca. Tinha um amigo que tava de camiseta de manga curta no frio, que dizia que não tava com frio não.
Nesse tempo todo eu tava lá fora, ai resolvi entrar ali na área da piscina.
Entrei lá e encontrei nossa amiga hippie, a Maggie, e fiquei trocando idéia com ela por um bom tempo, perguntando da vida dela. Ela disse que a filha dela tinha chamado ela pra fazer um discurso no coolégio dela sobre a sua vida e a luta contra a bebida. Ela disse também que ia escrever um livro, que infelizmente eu esqueci o nome 2 segundos depois dela me falar, devido ao álcool.

Maggie e Mohamed

Nisso, um cara que tinha pulado na piscina uns instantes atrás, sai e aparece com uma garrafa que chanpanhe, que eu com muita relutância também tive que aceitar.
Depois disso, resolvi mudar de lugar denovo e fui dessa vez pra dentro do hotel. Lá estava a grande maioria das pessoas presentes na festa, todas devidamente alcolizadas, e muito alegres com a inevitável virada do ano.
Todos nós íamos para a Church Street, para ver a queima de fogos e quem sabe entrar em algum club pra finalizar a noite. O Abdul, mostrando uma grande simpatia e respeito pela minha figura, me ofereceu uma carona para lá, já que ele a o Zia também iam pegar uma baladinha. Fomos para o carro, e no caminho, Abdul começa a jogar bolas de neve na galera.
Chegamos no carro, Zia fala que vai colocar uma música brasileira e saca um Zeca pagodinho. Todos os 4 brasileiros no carro achando tudo aquilo uma loucura, entram na dança e começam a cantar também. Chegamos no centro e fomos para a fila do ri-rá, um pub irlandês, que não estava cobrando nada para entrar. Entramos faltando alguns segundo para a virada. Quando chegamos na muvuca a contagem começou. Five.. Four.. Three.. Two.. One.. AEEE!
Que alegria, aquela porra de lugar tava maluco. Uns 3 minutos depois da virada eu já  tava com a minha garrafa de Heineken na mão, ouvindo uma música irlandesa.
Lá dentro nada de especial, tirando o rola que eu levei quando escorrei na escada de 2 degraus. Cai e bati as costar numa quina, doeu um bocado. Ai uma galera viu, umas minas tavam rindo de mim no topo da escada. Eu também tava achando engraçado, falei para elas não rirem com um sorriso invertido na cara, uma cara de dó. Elas pediram desculpas  ainda rindo. Me lembrei de um rola que eu tomei numa festa lá da faculdade, quando os muleques e meu irmão foram pra lá. Eu não sou muito de cair, pra falar a verdade, acho que só caio em festa mesmo. O Ultimo tombo acho que sem ser em festa foi em São Bernardo, quando eu tava indo pro cursinho, que eu me enrosquei no tapete e cai sem colocar as mãos no chão, preservando meu boné de qualquer dano.
Tava de saco cheio e fui comer um hot dog na rua. 7 doletas, a salsicha era gigante, o equivalente a duas lingüiças juntas, antes de fritar elas.
Tava mais ou menos gostoso.
Quando eu voltei pro Ri-Rá, foi só colocar o pé lá dentro que as luzes acenderam e a balada acabou. 2 horas da manhã.

depoois do ri-rá

eu já tava torto

Saimosde lá e fomos encontrar mais dois muleques que tava num lugar lá embaixo, onde eles – menores – podiam entrar. Lá tinha pizza, bilhar, jogos e cerveja. Fiquei afins de jogar sinuca e chamei o Napa pra formar uma dupla e apostar contra os americanos. 1 dólar. Contra um muleque e uma mina. Perdemos.
Fomos procurar taxi na rua. Demorou, mas conseguimos um que nos trouxe, junto com uns americanos(eles não iam pro mesmo lugar) para o hotel. Um desses americanos era do sexo feminino. Bêbada e gatinha, comendo um hot dog parecido com o meu, a não ser por uma leve diferença. O dela não era num pão, parecia que era numa massa daquelas de fazer taco, a massa mole, igual quando você vai no taco Bells e pede soft.
Chegamos no hotel, eu estava bem transtornado e fui dormir. Dormir bem, é claro.

Posted in Uncategorized | 4 Comments

Ultimo dia do ano

Eu demorei pra começar o blog, deixei essa missão para o ultimo dia do ano, new years eve como se diz por aqui, e por enquanto as coisas não estão empolgando muito não.
Mas acho que é pra manter a tradição de viradas horriveis.
A do ano retrasado eu passei na praia de riviera (que nem merece letra maiuscula), ao som de um funk cantado por uma criança, dormindo no carro e sem tomar banho.
A do ano passado eu passei na praia de Ubatuba, na avenida principal, debaixo de uma chuva do cacete, e ainda por cima tive o guarda chuvas roubado.
Essa virada não deve fugir muito da tradição não. A diferença é que vamos estar sobre a neve, e bebendo cervejas light (só no quarto, porque na rua não dá).

Descontei meu paycheck hoje, 209 doletas, referentes a 3 dias de aluguel do corpo/alma. Depois fomos comer no japa (china na verdade), que é o melhor custo benefício da cidade eu acho, é do lado do hotel e com 10 conto você come e bebe a vontade. E a conta chega por livre e espontânea vontade na sua mesa haha.

Quando você pensa que o trabalho não pode ficar pior ele fica! Mas eu não to reclamando que eu vou trabalhar mais, pelo contrário, semana que vem não sei porque diabos eu vou trabalhar apenas 4 dias, o que gera destruição de valor, um prejuizo de aproximadamente 70 doletas (um mimo a menos).
A agência que recrutou a gente para trabalhar na Twin Craft Soap Company é controlada por mãe e filha, que viajam o globo se hospedando em hotéis 5 estrelas e recrutando jovens qualificados para trabalhos escravos. A melhor descrição do trabalho das duas é que elas são “mercadoras da morte”.
Nós não temos poder de decisão algum, somos escalados para o trabalho conforme a vontade destas duas entidades. Essa semana eu começei trabalhando 2 turnos seguidos, num total de 16 horas na fábrica, incluindo os breaks. Terça 7 horas. Na quarta e na quinta-feira aumentou para 7 horas e meia.
Sei lá o que esperar pra frente.
Pode ser que eu trabalhe 4 ou 5 dias por semana, 7 ou 8 horas por dia, sem contar que o turno pode mudar, e trabalhar de noite ou de dia, ou de tarde até.
Acho que a coisa mais foda do trabalho é a dor nas costas, já que a gente tem que ficar de pé durante o turno inteiro, mesmo que o trabalho possa ser feito sentado.
O café da empresa vem de uma vending machine. Só a água é de graça, e mesmo assim, ainda é uma bosta, porque a porra do copo, não sendo suficiente ser de papel, é cônico, ou seja, você tem que ficar segurando ele pra ele nao cair, não da pra comer bolacha e tomar água ao mesmo tempo. Acho que até nessas pequenas coisas os caras pensam pra te fuder.

Aqui vai uma imagem do principal acionista da empresa

 

Mas é bom trabalhar, porque o tempo que você não tá trabalhando é excelente, dá uma alegria..

Mas também foda-se.
Ta ficando tarde e eu vou ter que ficar wasted até a meia noite!

Peace!

Posted in Uncategorized | 5 Comments